19 de maio de 2011

Ao ver isto é caso para perguntar ao palhacinho Se não fosses parvinho que é que gostavas de ser?

23 comentários:

Neuroticon disse...

Já eu gostei muito! :D

Álvaro Martins disse...

Foda-se, gostaste? O gajo parece uma criancinha que quer a atenção toda para ele, piadas estúpidas como a dos orgasmos que uma finge e outra não, não se calava com o filme pornográfico e de pois aquele final saiu-lhe muito mal (ainda para mais para com os jornalistas que aproveitam tudo), e ele percebeu isso, tanto que nota-se (às tantas) que já não sabia o que havia de dizer e onde se meter. Nem foi o dizer mal dos judeus, porque os judeus não são santos nenhuns (bem pelo contrário) e eu digo mal dos judeus a toda a hora, mas Simpatizo com o Hitler??? Foda-se que piada do caralho.

Anónimo disse...

LOL é engraçado ver como as pessoas levam a sério tudo o que ele diz. o homem é meio variado da cabeça, antes do antichrist esteve cheio de problemas nem aparecia em público e ainda lhe dão credibilidade? é para rir!!!!!

Álvaro Martins disse...

Sim, é para rir mesmo.

Neuroticon disse...

O que gostei na conferencia foi o facto de ele usar a ironia e brincar com isto, afinal de contas, é apenas um filme. E os filmes dele são sério por si só, não necessitam de um realizador que se leve mais a sério ainda.
Mas falas bem quando dizes que ele percebeu e ja nao sabia onde se meter, é verdade.
Quanto á cena do Hitler, foi mais uma piada irónica, por ter basicamente a herança dele, nas suas raízes de alemão. Eu pelo menos entendi assim, mas infelizmente acho que quando se fala em Hitler e Judeus há sempre demasiada seriedade. Há que tomar muito cuidado, pois as pessoas não deixem que se use nesse caso a liberdade de expressão e a comédia e ironia. Com os judeus ninguém brinca.
Mas eu subscrevo o Lars, o judeus são realmente "a pain in the ass".

João Gonçalves disse...

É um idiota de merda. Que faça os filmes, e que mantenha a boca fechada.

Enaldo disse...

Eu nãogosto de Lars von Trier e de seus filmes. Ele se acha um gênio e se comporta como uma Lady Gaga filhinho da mamãe. Quem lhe quer dar colo, o moço precisa...

Álvaro Martins disse...

Neuroticon, os judeus são uns filhos da puta como são os americanos e como são os árabes e por aí fora, isso não vem ao caso porque o problema não foi gozar com os judeus mas sim elogiar o Hitler (e se reparares quando disse que percebia o Hitler disse-o muito seriamente e repetiu-o praí duas vezes) e estar sempre naquela postura. Ironia? Brincar? Mandar umas piadas tudo bem, agora estar sempre naquilo já é estupidez, a própria Kirsten Dunst já estava desconfortável e o Stellan Skarsgård ficou parvo a olhar para ele quando o gajo já não sabia o que havia de dizer para remediar aquilo tudo. Nota-se na conferência que está sempre a ver se acham piada, está sempre naquilo para ser o centro das atenções, parece o palhacinho da turma.

Ah e já li por aí que o filme é uma desilusão.

João, nem mais!

Enaldo, não sou tão radical, tem filmes muito bons, muito bons mesmo.

Neuroticon disse...

Tem filmes brilhantes e não é por esta ou aquela atitude que deixo de gostar da obra.
Agora, toda a gente sabe que ele não acredita realmente naquilo. É uma postura. Acredito que um artista não goste muito de esmiuçar a sua obra e ele foi por ali fora arranjando mecanismos de defesa e quando viu onde estava já era um bocadinho tarde...
O pior de tudo, para mim, é o facto de toda a gente dizer que o filme é mesmo fraco...
Isso é que me chateia :)

Álvaro Martins disse...

"Tem filmes brilhantes e não é por esta ou aquela atitude que deixo de gostar da obra." Claro que não, isso era o mesmo que dizer não gosto de Placebo porque o gajo é paneleiro, não faz qualquer sentido. Agora, estou como diz o João, que faça os filmes mas que esteja caladinho.

LN disse...

Porquê que os judeus são filhos da p***?

Álvaro Martins disse...

Diogo, basta ver o que os gajos fazem aos palestinos. E depois são um povo que se julgam divinos ou escolhidos por Deus...

DC disse...

Não percebo, aquilo que os judeus fazem aos palestinos (e já agora, o que é?) faz com que as mães deles sejam todas prostitutas?

Mariana disse...

Acho que a arte, além de ser arte, pode ser uma forma de lidarmos com questões complexas. A intersecção arte/política se faz na arte em si, não na persona de seus criadores. Criadores costumam ser performáticos, mas podem errar feio ao não perceber os limites entre a persona (pública, é sempre bom lembrar) e o universo criador. Quando, então, se esbarra na polêmica questão dos limites da liberdade de expressão, aí tudo se complica mais. Pois me parece que a única chancela de fato para a liberdade de expressão é a arte, salvo engano.

"Everyone Stands Under His Own Dome of Heaven", 1970, Anselm Kiefer (German, born 1945)

http://www.metmuseum.org/toah/works-of-art/1995.14.4

Álvaro Martins disse...

DC, se não vês noticiários vai por exemplo ao youtube e procura lá sobre o conflito, há lá n de vídeos (uns a favor dos judeus outros a favor dos palestinos)sobre isso e tiras as tuas conclusões. E já agora informa-te sobre como tudo começou.

Álvaro Martins disse...

http://www.youtube.com/watch?v=Iq04dnHwpYc&feature=related

Flávio Gonçalves disse...

Ele é um idiota chapado e aquela conferência foi vergonhosa. Dizer que o filme é uma merda (mesmo a brincar) é mandar à merda quem o vê e o escolheu para competir para a Palma de Ouro.

Álvaro Martins disse...

Exactamente Flávio.

Neuroticon disse...

Ele é um provocador nato. Sempre foi e isso também se espelha nos seus filmes.
Volto a dizer que ele tá desde o início a brincar, a dizer que o filme é uma merda, a cena do filme pornográfico etc...
Porque razão tem as pessoas de levar tudo tão a sério?
Uma gargalhada e um olhar irónico sobre si mesmo faz tão bem... :)

João Gonçalves disse...

Neuroticon,
eu não consigo perceber quando dizes com um sorriso na cara que gostaste muito destas declarações.

Eu, sinceramente, estou-me a cagar para o povo judeu. O certo é que ele proferiu declarações que não têm piada nenhuma. Alguém que simpatize minimanente com o Hitler só pode ser doente ou então não reflectiu bem naquilo que estava a dizer. Existem muitos livros que falam sobre os horrores e crimes cometidos por esse personagem. O Von Trier ao dizer o que disse está não só a insultar o povo judeu mas a humanidade inteira ao dizer que simpatize com um homem que nem mercia ter vivido. Seja Hitler, Estaline ou até o Saddam Hussein para mim tanto me faz.

Quanto aos judeus, vítimas ou não, espécie protegida ou não, quem sofreu na pele foram eles. Parece que está na moda minimizar um acontecimento destes. E desculpa não consigo soltar uma gargalhada, sobretudo quando não tem a mínima piada.

Neuroticon disse...

Eu acho que se deve fazer piada com tudo. Todo o material é digno de ser transformado em piada.
Isto é humor negro, nada mais.
João, sabendo que conheces cinema, sei que já percebeste a persona de Von Trier, e não consigo acreditar que aches que ele estava a sentir tudo aquilo que dizia!
Ele está lá a gozar, a ser irónico!
Os judeus são assim tao privilegiados para não se poder fazer piadas sobre eles?
É humor negro e ácido ao bom estilo Family Guy! :D

Zé Rodrigues disse...

Mas qual family guy qual que, o gajo é um deprimido do caralho mas é e faz tudo pra chamar a atenção, ele não é bom da cabeça e bons filmes só mesmo o europa e o ondas de paixão mais nada.

Enaldo disse...

Eu também penso que Lars von Trier necessita de algum auxílio tipo, psiquiátrico, ou, pelo menos,tomar cuidado com o que ingere no organismo, rs...