14 de setembro de 2014

Giorni di Gloria - Giuseppe De Santis, Luchino Visconti, Mario Serandrei, Marcello Pagliero (1945) *****
Sciuscià - Vittorio De Sica (1946) *****
La Terra Trema - Luchino Visconti (1948) ® *****
Francesco, giullare di Dio - Roberto Rossellini (1950) *****
The Big Sky - Howard Hawks (1952) *****
Paths of Glory - Stanley Kubrick (1957) ® *****
Il generale Della Rovere - Roberto Rossellini (1959) *****
Kiss Me, Stupid - Billy Wilder (1964) *****
Who's Afraid of Virginia Woolf? - Mike Nichols (1966) *****
Panelkapcsolat - Béla Tarr (1982) *****
Hong gao liang (Milho Vermelho) - Zhang Yimou (1987) ® *****
Xavier - Manuel Mozos (1991-2002) *****
Csak A Szél - Benedek Fliegauf (2012) *****
The Immigrant - James Gray (2013) *****
Mutiny On The Bounty - Frank Lloyd (1935) ****
Arigatô-san - Hiroshi Shimizu (1936) ****
The Spoilers - Ray Enright (1942) ****
They Shoot Horses, Don't They? - Sydney Pollack (1969) ****
Birdy - Alan Parker (1984) ****
Luo ye gui gen (Voltar a Casa) - Zhang Yang (2007) ****
Carnage - Roman Polanski (2011) ****
De rouille et d'os - Jacques Audiard (2012) ****
Amour - Michael Haneke (2012) *****
Lincoln - Steven Spielberg (2012) ****
Cool Hand Luke - Stuart Rosenberg (1967) ***
The Angels Share - Ken Loach (2012) ***
Io e te - Bernardo Bertolucci (2012) ***
12 Years a Slave - Steve McQueen (2013) ***
Oblivion - Joseph Kosinski (2013) ***
Gravity - Alfonso Cuarón (2013) ***
Майор - Yuriy Bykov (2013) ***
Wakolda - Lucía Puenzo (2013) ***
Intouchables - Olivier Nakache, Eric Toledano (2011) **
The Sacrament - Ti West (2013) **
Hijo de Caín - Jesús Monllaó (2013) **
Noah - Darren Aronofsky (2014) l
Pompeii - Paul W.S. Anderson (2014) l
The Legend of Hercules - Renny Harlin (2014) l

2 de janeiro de 2014

Mary of Scotland - John Ford (1936) *****
You Can't Take It With You - Frank Capra (1938) *****
The Long Voyage Home - John Ford (1940) *****
Sullivan's Travels - Preston Sturges (1941) *****
What Price Glory - John Ford (1952) *****
Broadway Danny Rose - Woody Allen (1984) *****
Sobibór, 14 octobre 1943, 16 heures - Claude Lanzmann (2001) *****
Camille Claudel 1915 - Bruno Dumont (2013) *****
Marty - Delbert Mann (1955) ****
Lásky jedné plavovlásky - Milos Forman (1965) ****
Il mio viaggio in Italia - Martin Scorsese (1999) ****
4:44 Last Day on Earth - Abel Ferrara (2011) ****
Bunker Palace Hotel - Enki Bilal (1989) ® ***

22 de novembro de 2013


Mary of Scotland, do grande, do maior dos maiores, John Ford, é mais um dos seus grandiosos filmes, um brutal arremesso ou petardo de sombras e da terrífica história da rainha da Escócia, coisa tão trágica quanto shakesperiana, tão glorificante e tão sombria quanto macbethiana, as trevas da corrupção e da perfídia tantas vezes mencionada pela Mary de Hepburn, interpretação tão magnífica e tão estonteante quanto a de Fonda no seu Young Mr. Lincoln, brutalidade da acção e da comoção das teias e da viscosidade da sede de poder, tragicidade e escuridão que assola a tela em busca da mais terrífica e da mais maquiavélica das falsidades que outrora condenaram e mataram alguém, Mary of Scotland expugnada e atraiçoada, lançada às feras no seu próprio reino desde logo condenado e ainda mais mergulhado no fatalismo do destino traçado pela sua grande escolha errante, um rei que mais parecia rainha, a renúncia ao amor em detrimento do trono, ainda que um filho daí resultasse, o amor vencerá mesmo no centro das trevas e da morte. Hepburn e as sombras do seu calvário, e a luz que ilumina o seu rosto, que brilha na mais bruta das expressividades, coisa tão lancinante ou tão pungente e tão feroz quanto as da Falconetti da Joana D’Arc do Dreyer, rugosidade das imagens, implacabilidade do olhar, dos trovões da ferocidade e da cólera de Deus. Mary of Scotland, negro como as mais negras tragédias shakesperianas, como o Hurricane ou o The Prisoner of Shark Island, é Ford a transcender-se e a verter-se pelas imagens e pelas sombras das trevas que condenaram Mary Stuart of Scotland. Monumento único, grandiosidade total.

25 de outubro de 2013

Canyon Passage - Jacques Tourneur (1946) *****
I Vitelloni - Federico Fellini (1953) *****
Il Bidone - Federico Fellini (1955) ® *****
Kapò - Gillo Pontecorvo (1959) *****
The Comancheros - Michael Curtiz (1961) *****
Seppuku - Masaki Kobayashi (1962) *****
My - Artavazd Peleshian (1969) *****
Shoah - Claude Lanzmann (1985) *****
Da hong deng long gao gao gua - Zhang Yimou (1991) *****
Wu ming zhe - Wang Bing (2009) *****
Molière - Léonce Perret (1909) ****
Rancho Notorious - Fritz Lang (1952) ****
Ulisse - Mario Camerini e Mario Bava (1954) ****
Kwaidan - Masaki Kobayashi (1964) ****
Ercole Alla Conquista Di Atlantide - Vittorio Cottafavi (1961) ***
Submarino - Thomas Vinterberg (2010) ***
Flukt - Roar Uthaug (2012) **

2 de setembro de 2013

Going My Way - Leo McCarey (1944) *****
The Last Frontier - Anthony Mann (1955) *****
Man Of The West - Anthony Mann (1958) *****
Blokada - Sergei Loznitsa (2006) *****
Western Union - Fritz Lang (1941) ****
Railroaded - Anthony Mann (1947) ****
Cimarron - Anthony Mann (1960) ****
The Flame and the Arrow - Jacques Tourneur (1950) ***

8 de agosto de 2013


Solidão…

É da solidão e talvez da mágoa e da amargura, não só dos caminhos como das escolhas da vida, que resulta uma certa empatia ou até cumplicidade do olhar, principalmente do olhar, daquelas personagens de “las acacias”, coisa que mais que um road-movie é uma road para o recomeço daqueles dois, coisa que nasce do (tal) olhar daquela bebé. Austera ou não, a viagem serve como contraponto não só para o olhar social de quem vai em busca de um futuro melhor mas para o tal olhar de quem descobre no outro um possível recomeço, coisa primordial que o filme quer transmitir, o ponto de partida para um hipotético recomeço. Não me parece que se fale ali de amor, ou que o haja, talvez de afecto que cresce com os tais olhares desconfiados que a pouco e pouco se vão desarmando e acalentando, começa na distância e na frieza para acabar na proximidade na ternura e na entreajuda, parece-me mais do desejo de fugir à solidão, do querer assentar, é o bebé que serve de veículo para esse aproximar, para o tal recomeço. Falo na solidão de ambos mas é a Rubén a quem ela mais pesa e assombra, o tal que não vê o filho à oito anos, ela é o lado oposto, é como se fosse um espectro da mãe do filho de Rubén, aquele olhar da bebé é como um pedido de protecção para Rubén, é o apelo que o olhar transmite, o desejo de lhe dar um pai, de o ser como o não foi para o seu filho, o tal recomeço, uma certa remissão ambicionada…

Realismo…

Distante do neo-realismo italiano ou do realismo dos Dardenne ou da nova vaga romena ou do grego Angelopoulos e sim próximo do seu compatriota Alonso onde se pretende registar o momento, simplicidade realista, Pablo Giorgelli em las acacias implode toda a desconfiança do ser humano no olhar de cada um deles, vai esmorecendo perante a liquidação da solidão vivida, busca-se por uma vida melhor mas aquilo que de imediato se encontra é o tal recomeço que renasce no olhar e nos pequenos gestos de Rubén que, mais que qualquer desejo carnal que possa possuir, é o olhar cândido e doce daquela bebé que o aquece e o desarma por dentro. Assim, o realismo, que envolto na lentidão e na simplicidade da narrativa, é tão seco quanto os verões mais secos do mundo e foge como o diabo foge da cruz do aspecto social (ainda que parta dele) para imergir no interior das suas personagens, pauta-se pelos gestos e pela jornada que parte da fronteira do Paraguai com destino a Buenos Aires e finda no apego e na compaixão e na reconstrução (ou na sua possibilidade) dum futuro radioso.

2 de agosto de 2013

Liliom - Fritz Lang (1934) *****
Some Came Running - Vincente Minnelli (1958) *****
O Pagador de Promessas - Anselmo Duarte (1962) *****
las acacias - Pablo Giorgelli (2011) *****
The Sting - George Roy Hill (1973) ****
South of the Border - Oliver Stone (2009) ****
Philadelphia - Jonathan Demme (1993) ® **
Hiljaisuus - Sakari Kirjavainen (2011) **


® Filmes revistos