9 de dezembro de 2010

Arena (2009)

Arena de Salaviza vive de metáforas, é filme simbólico até às entranhas. Tudo remete para a liberdade (e a falta dela). Toda a luz que perfaz o filme (até naquela casa que substitui a prisão - desde a sua geometria (que se estende ao exterior onde se encara simbolicamente naquelas pontes) às grades na janela - nos corredores daquele prédio) é símbolo da liberdade. E aquela profundidade de campo que mostra ao longe a cidade não é à toa. Toda a mise-en-scène é perfeita naquele pedaço de cinema (embora custe a acreditar que três putos entrem em casa dum presidiário e lhe roubem o dinheiro). E o fim é irrisoriamente simbólico. Porque Mauro não está a dormir (não pode, não teve tempo). O que acontece naquele final é o alcançar (mais importante que o dinheiro) duma liberdade provisória. Debaixo daquele sol abrasador temos um presidiário que estava até então confinado ao seu mundo (a casa) privado de liberdade. E aquele momento (por mais curto que seja) traz-lhe essa liberdade ansiada. Por isso o dinheiro que se foda, o puto que vá embora. E nem me interessa discutir se ganhou em Cannes com justiça (não vi os outros), interessa-me é perceber que Arena carrega esse peso de ter ganho (que pode ser demasiado pesado). E esse peso é que traz as desilusões que não devia trazer. Porque expectativas à parte, a curta de Salaviza é muito interessante.

7 comentários:

DiogoF. disse...

Concordo, em geral. Bastante simbólico, com uma mise-en-scene muito fortes, muito bem feitas. E, no entanto, por expectativas ou não, o argumento é fraco e deixa que as intenções e propósitos se diluam em algo pouco vigoroso e instável.

Álvaro Martins disse...

Não acho fraco, acho simples e de acordo com a duração da curta. A simplicidade não é sinónimo de fraqueza nem de má qualidade.

Roberto Simões disse...

Eu gostei bastante. Os símbolos e as metáforas são quase inerentes à natureza das curtas. O argumento é relativamente simples, de facto, mas é muito bem conduzido.

Cumps.
Roberto Simões
» CINEROAD – A Estrada do Cinema «

Flávio Gonçalves disse...

Não concordo com o Diogo, como já pude conversar com ele. Já me disseram que quando o Salaviza compareceu na escola para apresentar este "Arena" ele defendeu-o de uma forma péssima (não o pude ver porque regressei a casa). Mas não faz mal. Acredito neste trabalho, como há meses atrás já escrevi sobre ele. Nasce e morre com uma única metáfora, que preenche a duração total da curta-metragem - a liberdade.

PS - Vê o "Duas Pessoas", um exercício do segundo ano que ele realizou. Vale a pena ;)

Abraço Álvaro!

Neuroticon disse...

Ainda não vi...

Mas eu acho que os melhores argumentos são sempre os mais simples... Uma boa história é simples.

A simplicidade não é sinónimo de fraqueza nem de má qualidade. (x2)

DiogoF. disse...

Eu não disse nem acho que a simplicidade seja sinónimo de fraco. Não acho que o problema do argumento seja a sua simplicidade mas sim a sua própria construção. Não gostei da evolução, da forma como foi feita. Não gostei do ritmo. Não me envolvi nesses termos.

O próprio Salaviza admitiu, numa pequena conferência, que sempre se sentiu inseguro face ao argumento.

Álvaro Martins disse...

Flávio, verei esse sim ;)

Neuroticon, concordo contigo ;)

DiogoF., podes não ter gostado (estás no teu direito), mas não digas que o argumento é fraco ;)