2 de dezembro de 2009

Andrey Rublyov (1966)

Um filme de Andrei Tarkovsky





















Existe uma beleza indescritível em cada uma das obras de Tarkovsky. Uma beleza poética, penetrante e introspectiva em cada frame, cada take, cada movimento de câmara do russo. O cinema de Tarkovsky extravasa essencialmente fé. A constante procura da fé, do espírito. E “Andrey Rublyov” é sobretudo a procura da fé. Mas a fé nunca caminha sozinha. Até porque a razão é inimiga da fé.
O cinema de Tarkovsky, tal como o de Bergman, reflecte acima de tudo no existencialismo. A questão filosófica está presente em todo o cinema de Tarkovsky. E é esteticamente perfeito. Cada uma das obras de Tarkovsky é um exemplo perfeito do cuidado, da precisão com que o cineasta se preocupava. E além de tudo o que possa ser exaltado no cinema do russo, a beleza estética e contemplativa com que Tarkovsky nos brinda é qualquer coisa de fenomenal. Mas “Andrey Rublyov” é talvez a sua obra mais simbólica religiosamente. Aqui, Tarkovsky reflecte, mais do que em todas as suas restantes obras, na utopia católica. Em “Andrey Rublyov”, o russo explora o misticismo religioso e disserta mais uma vez na grande questão que percorre todas as suas obras cinematográficas, o espírito. A biografia de um pintor que mostra uma visão mais operária do artista. “Andrey Rublyov” é acima de tudo um poema em cinema, uma expressão da vida e do tempo espiritual.

5 comentários:

Pedro disse...

Tenho-o ali na prateleira a olhar para mim. Mas ainda não o vi.

Neuroticon disse...

Tarkovsky é o meu realizador preferido. Este tambem ainda nao vi, apesar de tar ali a olhar para mim há uns tempos...
Se calhar merece uma ocasião especial!

Victor Afonso disse...

Por acaso não é o Tarkovski que eu mais gosto, mas é muito, muito bom (e subscrevo o que dizes).

Flávio Gonçalves disse...

Estou a salivar para começar a ver Tarkovski...

Álvaro Martins disse...

Pedro,
se está a olhar para ti pega nele e vê-o ;)

Neuroticon,
Também é o meu cineasta de eleição. Tarkovsky foi o mesmtre dos mestres. Todos os filmes de Tarkovsky merecem uma ocasião especial :)

Victor,
também não é o meu preferido dele, mas é muito bom mesmo.

Flávio,
se já salivas sem ver imagino o quanto vais salivar depois de ver algum filme do mestre.