30 de junho de 2010

Breakfast at Tiffany's (1961)















O que realmente interessa em Breakfast at Tiffany's é Audrey Hepburn. Deixe-se de fora toda a pretensão do filme numa crítica à sociedade americana de então, ao consumismo e ao materialismo. Porque fora a grandiosa interpretação de Hepburn, Breakfast at Tiffany's (embora pretenda fazer essa crítica) é uma comédiazinha romântica como tantas outras de Hollywood.

3 comentários:

Roberto F. A. Simões disse...

Nem mais. Não tive paciência para vê-lo até ao fim, mas da grande parte que vi é precisamente essa a ideia que partilho.

Cumps.
Roberto Simões
» CINEROAD - A Estrada do Cinema «

João Gonçalves disse...

Mais um aqui. Grande Andrey. O resto é mais do mesmo, fantasioso de mais e cinema a menos.

King Mob disse...

E a banda sonora.