6 de fevereiro de 2010

About Schmidt (2002)

Jack Nicholson é de facto um grande actor. Existe uma linha ténue que distingue a representação do personagem. Um limiar que define o grande actor. E Nicholson raramente falha a conquista desse limiar, a evidência de que o actor é o personagem. E temos vários exemplos na sua carreira. Aqui, isso é clarividente como a água, sobretudo porque About Schmidt é Nicholson e só Nicholson. O filme vive do actor. Tudo o resto é nulo. About Schmidt é um filme sobre o recomeço. Mas este recomeço podia ter sido mais bem explorado, mais simples, menos melodramático tipo série de televisão anos 80, mais ambicioso, menos artificial, menos “americano”. O que falha aqui é a condução narrativa, a realização, as pequenas escolhas do filme. O que falha aqui é a veia comercial que About Schmidt suporta. E se o filme sobrevive à mediocridade, isso deve-se a Jack Nicholson.

4 comentários:

Roberto F. A. Simões disse...

Ora nem mais. Estou inteiramente de acordo.

Cumps.
Roberto Simões
CINEROAD - A Estrada do Cinema

Eduardo Peres disse...

Nem só dos actores vive o cinema... Para se fazer um bom filme todas as engrenagens tem que estar bem oleadas, e talvez se consiga uma obra prima...

Ando sem tempo e tenho pena, porque tens no teu blogue inúmeras sugestões... Um dia tiro umas férias temáticas dedicadas à 7ª arte!

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Eu não acho o filme medíocre, longe disso. Claro que tem um travo comercial, mas não me parece que comprometa a qualidade da narrativa de um homem velho e desiludido com a vida que quer dar um derradeiro sentido à existência com a viagem com a autocaravana.
Jack é um enorme actor e este filme prova-o mais uma vez. E o final do filme é dos finais mais tristes e belos dos últimos anos.

João Gonçalves disse...

O filme só consegue chegar à mediocridade graças ao talento de Nicholson. O filme é para ver uma vez e apagar da memória.