22 de janeiro de 2010

Saving Private Ryan (1998)


Vi há dias o Saving Private Ryan.
Outra vez?
Pois, outra vez. Mas sabes o que tirei de o ver mais uma vez?
Diz.
O Spielberg é o típico cineasta Hollywoodano. É mesmo básico. Nunca consegui perceber como é que alguém faz um filme sobre um pelotão que atravessa km e km para ir buscar um soldado. É tão melodramático e emocionalmente apelativo com toda a história da morte dos irmãos. Parece uma novela. É fraquinho. É hipócrita percebes?
Sim, mas o homem filma duma maneira espectacular, principalmente as cenas de guerra. Tecnicamente Spielberg é um mestre. Já o Tubarão tem planos incríveis. Embora relativamente a argumento seja uma nódoa.
Ó pá, mas isso não basta. Isso só faz dele limitado entendes? Não passa dali. Se pensares bem, o que é que o homem fez de jeito depois do Schindler’s List? Só o AI que era projecto do Kubrick. De resto, tudo ao mesmo nível deste.
Sabes o que me irrita mais no filme?
Diz lá.
O Tom Hanks. Não gosto do gajo. Sei lá, tem algo que não me agrada. Um actor de comédia que dum momento para o outro virou para o drama. Não me convence. Faz-me lembrar aqueles actores brasileiros das novelas.
Pois, também não sou nenhum fã do homem mas até não desgosto dele como actor. Gostei do Forrest Gump e do Road To Perdition. Mas realmente tanto este como o Spielberg não passam de cineasta e actor regulares.
O Saving Private Ryan até escapa como filme. Tem um argumento fraquinho mas safa-se na parte técnica.
Então vais dizer isso do Avatar não?
Não, é diferente. Aqui ainda vês tentativa de oferecer cinema, no Avatar só vês lucro, entretenimento de alienados.
Eu percebo o que queres dizer, mas não consigo deixar de pensar que o filme do Spielberg é muito fraquinho, muito básico, muito ridículo. É um filme que nunca ficará na história.

4 comentários:

João disse...

Apesar de gostar da maioria dos filmes do Spielberg, por este não sinto nada de especial. Talvez por esse tom excessivo de novela que falas. Acho que é mesmo isso. Nunca despertou nada em mim.

De reso vou muito em contra com o que dizes, acho Spielberg subvalorizado, especialmente os últimos filmes dele. AI, Munich, Minority Report e War of the Worlds são todos excelentes. Até mesmo Catch me if you can

Fifeco (Filipe Ferraz Coutinho) disse...

Ah ah, não concordo, mas gostei do "diálogo".

Abraço

Argonauta disse...

concordo contigo, este filme é muito sobre valorizado, principalmente porque no mesmo ano saiu o melhor filme de guerra alguma vez feito. sabes do que estou a falar.

Álvaro Martins disse...

Presumo que estejas a falar do grande The Thin Red Line ;)

Não vou tão longe quanto a ser o melhor filme de guerra alguma vez feito. Apocalypse Now é brilhante também, Full Metal Jacket idem aspas, The Bridge On The River Kwai, The Longest Day...
Mas claro que o filme do Malick é uma obra-prima, claro que é um dos 5 melhores filmes de guerra jamais feitos.