1 de julho de 2009

Smultronstället (1957)

Um filme de Ingmar Bergman






















Bergman foi aquele que mais deu ao cinema, aquele que mais explorou os medos do ser humano, foi aquele que mais tentou reflectir na vida e na morte. E “Smultronstället” (Morangos Silvestres) é um dos seus filmes que mais reflecte na morte, nas memórias da infância, na velhice, no medo da morte, no arrependimento, nas relações humanas, na afectividade. E Victor Sjöström brilhante.

4 comentários:

João disse...

Obra-prima!

Passenger disse...

A seguir ao Persona, o meu preferido de Bergman. Boas imagens.

Álvaro Martins disse...

João,
é isso mesmo.

Passenger,
obrigado. Já somos dois a ter o Persona como o filme preferido do Bergman. Depois do Persona muito provavelmente terei como tu este como preferido, mas o Sétimo Selo e o Mónica e o Desejo também figuram nessa lista.

Inês Guedes disse...

Este filme tem qualquer coisa, tem. Mas na altura não fiquei assombrada. Depois de reflectir sobre ele, posso afirmar que é uma analogia brilhante à retrospecção que, um dia, todos iremos fazer.Alvaro, uma sugestao. Quando colocas as imagens dos filmes e não colocas texto, podias pôr a classificaçao que atribuis ao filme. Era giro :D