8 de junho de 2021



    "NEWS FROM HOME, o filme de Chantal Akerman que antecedeu LES RENDEZ-VOUS D'ANNA, é um filme de longos planos-sequência de Nova Iorque, cidade em que foi inteiramente rodado e que é dada a ver como a sua verdadeira personagem - a outra, a de uma rapariga que por lá estará a habitar o espaço filmado sem protagonistas, permanece fora de campo, evocada pela leitura em off das cartas da mãe que lhe chegam da Europa. Pode dizer-se que, como JEANNE DIELMAN, 23, QUAI DU COMMERCE, 1080, BRUXELLES (de 1975, antecedente de NEWS FROM HOME e a obra pela qual Chantal foi reconhecida como uma grande autora do cinema moderno), é um filme rigorosamente centrado na ideia da duração. LES RENDEZ-VOUS D'ANNA representa, de certo modo, uma inflexão já que, voltando à Europa (é rodado na Alemanha, na Bélgica e em França), Akerman o estrutura a partir da ideia da travessia do espaço, centrando-se narrativamente numa personagem (Anna) e numa actriz (Aurore Clément, a quem Akerman chamava Sunrise). "Aurore Clément em LES RENDEZ-VOUS D'ANNA", dita o genérico. 
    Os planos que acompanham Anna, quase nunca se prolongando para lá da sua presença neles, seguem, assim, o ritmo da personagem. sem que evidentemente isso dispense o rigor, normalmente fixo ou vagarosamente panorâmico, sem grandes movimentações de câmara, dos planos de Akerman. LES RENDEZ-VOUS D'ANNA é mesmo um filme de extremo rigor, construído em cenas ou sequências definidas como "blocos" narrativos, formalmente lapidadas, enquadradas com um sentido geométrico e uma simetria extrema. Há nele uma austeridade de que irradia uma estranheza comum à caracterização e aos gestos da personagem de Anna. Na altura, Akerman manifestou reticências relativamente à "estética do filme", um ritmo de planos (mesmo que estes sejam longos e lentos, saltam de uns para os outros assim que a personagem sai de campo) que até aí não usara.
    A própria Akerman referia este filme como aquele que marcou a sua descoberta dos actores (da representação) e com ela a da noção de alguma coisa que escapa ao controlo do realizador a favor do filme. Reivindicando o carácter activo (por oposição a reactivo) da sua direcção de actores, que terá sido particularmente evidente na colaboração com Delphine Seyrig em JEANNE DIELMAN, Akerman trabalhou de uma forma diferente com Aurore Clément, descobrindo com ela a personagem de Anna, jovem realizadora que viaja de país em país, de estação de comboios em estação de comboios, de quarto de hotel em quarto de hotel, na Europa de finais dos anos setenta acompanhando as apresentações de um filme. O que se passa, como por norma se passa nos filmes de Akerman, é que o lugar é dado ao que normalmente não tem lugar nos filmes, isto é, a momentos por norma invisíveis. Não vemos nada do filme que Anna acompanha, nada das sessões públicas, nada de Anna em trabalho. Vemos o que se passa "entretanto", quando se chega e quando se parte, muitos silêncios e, pontuando-os como acção dramática, os "encontros" de Anna. E como neste filme existe latente um discurso sobre a Europa, essas personagens, como os actores que as representam vindas de cantos diferentes, com percursos diferentes, sotaques diferentes, transportam consigo uma carga também ela latente, sejam eles o alemão (Helmut Grien), o francês (Jean-Pierre Cassel), a estrangeira na Bélgica, sua mãe (Léa Massari).
    Anna é a viajante. Uma mulher elegante que atravessa espaços incaracterísticos, sempre (quase) com a mesma roupa, os mesmos sapatos castanhos e nos mesmos tons pastel, uma aparência ao mesmo tempo imperturbável e enigmática. O que dela se conhece é progressivo, "cresce" até à sequência final quando, finalmente num décor que lhe pertence (o seu apartamento em Paris), ouve estendida na cama as mensagens gravadas no atendedor de chamadas. A cena, um longo plano fixo comum a outros finais de Akerman (JEANNE DIELMAN, outra vez), condensa em si mesma todo o filme, mas nesse momento já houve tempo e espaço para "decifrar" a personagem que é mais de silêncios que de diálogos e que vemos mais a escutar os monólogos de outros do que a dialogar com eles. À excepção do encontro com a mãe, perto da Gare du Midi em Bruxelas, a quem conta a sua história com a rapariga italiana por cujo telefonema passa o tempo a esperar enquanto pernoita nos hotéis por onde vai passando, nos outros encontros Anna ouve aquilo que a sua presença suscita no discurso dos outros. Provavelmente a condição de "passageira", a errância e o desprendimento mas também a disponibilidade a eles associada, suscitam uma maior liberdade afectiva na aproximação dos que com ela se cruzam.
    Este filme partiu da vontade de filmar um argumento centrado num encontro entre uma mãe e uma filha. Akerman pensou depois em encontrar uma "mulher hitchcockiana" a quem entregasse a personagem de Anna, alguém em cujo rosto nada estivesse inscrito à partida, mas decidiu-se por Aurore Clément, uma indicação de Delphine Seyrig. O filme evoluiu à medida da progressão da personagem de Anna e do grande entendimento que sobre ela terá existido entre a realizadora e a actriz. Descobriram juntas a maneira de Anna habitar os espaços que atravessa, ou muito concretamente a sua maneira ao mesmo tempo natural e rígida de caminhar em cima dos sapatos de tacão alto. O funambulismo de Anna. Se o filme corresponde à viagem de uma nómada que nada possuiu no espaço que atravessa, como Akerman o referiu, é a sua presença que aciona nos conhecidos e desconhecidos com quem se cruza a torrente de confidências que transporta "a sombra dos grandes acontecimentos colectivos, a história da Europa ao longo dos últimos cinquenta anos".
    Note-se que este foi o primeiro filme que Chantal Akerman realizou com meios de produção "profissionais" (um orçamento não luxuoso, mas conforme às exigências do argumento; uma equipa não excessivamente grande, mas em que cada um ocupava o seu lugar), o que se não lhe valeu uma sensação de grande diferença durante a rodagem, mereceu-lhe vários comentários sobre a importância de ter filmado muito jovem, sem compromissos nem máquina de produção que tolhessem a liberdade de escolhas e de movimentos que até NEWS FROM HOME considerou, por felicidade, ter conseguido: "os primeiros filmes são sempre mais pessoais." Mas pessoal, profundamente pessoal, é LES RENDEZ-VOUS D'ANNA, em que se reconhecem reflexos biográficos de Akerman, desde logo no nome da protagonista, realizadora de cinema chamada Anna, como Chantal Anne (Anna, um nome judeu, era o nome a que Chantal respondia em criança).
    Sobre LES RENDEZ-VOUS D'ANNA paira uma muito concreta reflexão sobre a condição europeia, e nela sobre a Alemanha que está "cheia de alemães", mas este é também o filme em Akerman atinge outras coisas. Por exemplo, filmar o que muitas canções passam a vida a dizer sobre as pessoas. O que é engraçado é que aconteça lembrarmo-nos disso antes do final do filme, antes de Anna cantar La Chambre à louer. Não é garantido que funcione para todos os espectadores, mas aos que acontecer tem graça." 

Maria João Madeira in "AS FOLHAS DA CINEMATECA, CHANTAL AKERMAN"

12 de maio de 2021


 

sobre o Walsh, vale a pena fazer umas visitas ao João...


http://cine-resort.blogspot.com/2021/01/raoul-walsh.html
http://cine-resort.blogspot.com/2021/04/raoul-walsh-1887-1980.html
http://cine-resort.blogspot.com/2021/03/entrevista-com-raoul-walsh.html
http://cine-resort.blogspot.com/2021/03/ele-inveja-os-actores-e-perante-mais.html
http://cine-resort.blogspot.com/2021/03/cineastes-de-notre-temps-raoul-walsh.html
http://cine-resort.blogspot.com/2020/12/tentativa-de-recordacao-de-uma-tarde.html
http://cine-resort.blogspot.com/2020/11/escravas-e-livres-notas-sobre-as.html
http://cine-resort.blogspot.com/2020/06/um-olhar-sobre-raoul-walsh.html
http://cine-resort.blogspot.com/2019/09/raoul-walsh-o-oeste-torrencial.html
http://cine-resort.blogspot.com/2019/05/walsh-raoul-1887-1980.html
http://cine-resort.blogspot.com/2019/02/walsh-raoul.html
http://cine-resort.blogspot.com/2019/01/a-grande-aventura-de-raoul-walsh.html
http://cine-resort.blogspot.com/2019/01/todas-as-bobines-de-raoul-walsh.html
http://cine-resort.blogspot.com/2019/01/raoul-walsh-fase-james-dean.html
http://cine-resort.blogspot.com/2019/02/his-name-was-raoul-iii.html
http://cine-resort.blogspot.com/2019/02/notas-sobre-dois-filmes-de-raoul-walsh.html
http://cine-resort.blogspot.com/2018/10/dialogo-com-raoul-walsh.html
http://cine-resort.blogspot.com/2018/09/raoul-walsh.html
http://cine-resort.blogspot.com/2017/06/raoul-walsh-o-precipicio-da-vida.html

10 de maio de 2021

 




2020, The Disciple, Chaitanya Tamhane

    O que encontramos em The Disciple de Chaitanya Tamhane é uma beleza incomum nos dias de hoje no cinema. Somos levados por uma viagem interior que nos aguça os sentidos, quer musicalmente quer visualmente, numa constante procura de realização individual e pessoal com base nos modelos/ídolos da vida deste discípulo (ou aluno). Desde o pai ao guruji, a quem ele se dedica fervorosamente, às cassetes “ocultas” da mestra destes dois, Sharad trilha uma viagem imersa na dedicação, na obstinação e na obsessão, visitando a frustração e a inveja, e abraçando a resignação no final. Belo filme este que condensa em si influências Tarkovskyanas e Weerasethakulianas (as mais notórias), com uma maturidade cinematográfica surpreendente para um cineasta de 33 anos. 

2 de maio de 2021

 


1936, U Samogo Sinego morya, Boris Barnet

do mar vieram para no mar se irem... filmes só possíveis aos grandes do cinema!

23 de abril de 2021





a registar:


1958, Ajantrik, Ritwik Ghatak
1922, Back Pay, Frank Borzage
1966, Hudutlarin Kanunu, Lütfi Akad
1958, Bari Theke Paliye, Ritwik Ghatak
2017, Mariphasa, Sandro Aguilar
2017, Boom for Real: The Late Teenage Years of Jean-Michel Basquiat, Sara Driver
1965, Subarnarekha, Ritwik Ghatak
1966, Krylya, Larisa Shepitko
2009, Yuki & Nina, Nobuhiro Suwa e Hippolyte Girardot
1981, The Territory, Raúl Ruiz
1963, Du Côte de Robinson/Les Mauvaises Fréquentations, Jean Eustache
1967, La Collectionneuse, Éric Rohmer
1972, L’amour l’après-midi, Éric Rohmer
1934, Ukigusa Monogatari, Yasujiro Ozu
1937, Shukujo wa Nani o Wasuretaka, Yasujiro Ozu
2005, Rize, David LaChapelle
2015,Rams, Grímur Hákonarson
2009, Os Famosos e os Duendes da Morte, Esmir Filho
1982, Le beau mariage, Éric Rohmer
2020, Yi zhi you dao hai shui bian lan, Jia Zhang-ke
2009, Sin Nombre, Cary Fukunaga
1924, Secrets, Frank Borzage
1956, La Morte en ce Jardin, Luis Buñuel
2009, La danse, Frederick Wiseman
2018, Terra Franca, Leonor Teles
1963, Mahanagar, Satyajit Ray
1965, Mahapurush, Satyajit Ray
1965, Kapurush, Satyajit Ray
1966, Nayak, Satyajit Ray
2006, Hei yan quan, Tsai Ming-Liang
1972, Sayonara CP, Kazuo Hara
1974, Gokushiteki erosu: Renka, Kazuo Hara
1979, Joi Baba Felunath, Satyajit Ray
2020, Otac, Srdan Golubovic
2001, Nǐ nà biān jǐ diǎn, Tsai Ming-Liang
2017, Lucky, John Carroll Lynch
1997, Arizona, Ewa Borzecka
1965, Akahige, Akira Kurosawa
1970, Dodesukaden, Akira Kurosawa
1971, Ty i ya, Larisa Shepitko
1971, The Last Picture Show, Peter Bogdanovich
2007, Paranoid Park, Gus Van Sant
1987, The Sicilian, Michael Cimino
1962, Devyat dney odnogo goda, Mikhail Room
1967, Iyulskiy dozhd, Marlen Khutsiev
1983, Proshchanie, Elem Klimov
1987, Yuki yukite, shingun, Kazuo Hara
1983, Pauline à la plage, Éric Rohmer
1984, Les nuits de la pleine lune, Éric Rohmer
1987, 4 aventures de Reinette et Mirabelle, Éric Rohmer
1993, L'arbre, le maire et la médiathèque, Éric Rohmer
1995, Les rendez-vous de Paris, Éric Rohmer
2014, Ponts de Sarajevo, vários



revisões:


1990, Ah Fei jing juen, Wong Kar-Wai
1954, Johnny Guitar, Nicholas Ray
1963, La Boulangère de Monceau, Éric Rohmer
1963, La carrière de Suzanne, Éric Rohmer
1970, Le Genou de Claire, Éric Rohmer
1984, Stranger Than Paradise, Jim Jarmusch
1989, Mystery Train, Jim Jarmusch
1945, Spellbound, Alfred Hitchcock
1947, The Lady from Shanghai, Orson Welles
1998, Crna Macka, Beli Macor, Emir Kusturica
1952, Ikiru, Akira Kurosawa
1954, Shichinin no samurai, Akira Kurosawa
1957, Kumonosu-jô, Akira Kurosawa
1958, Kakushi-toride no san-akunin, Akira Kurosawa
1961, Yojinbo, Akira Kurosawa
2000, Faa yeung nin wa, Wong Kar-Wai
1998, Dark City, Alex Proyas
2004, The Passion of the Christ, Mel Gibson
1988, The Last Temptation of Christ, Martin Scorsese
1999, Bringing Out the Dead, Martin Scorsese
1977, Close Encounters of the Third Kind, Steven Spielberg
1966, Krylya, Larisa Shepitko
1977, Voskhozhdeniye, Larisa Shepitko
1986, Le Rayon Vert, Éric Rohmer
1987, L'ami de mon amie, Éric Rohmer
1997, T’am e Guilass, Abbas Kiarostami
2017, Lucky, John Carroll Lynch
1981, One from the Heart, Francis F. Coppola